O Portal do Vale Tudo do Amapá
Velocidade como capacidade física principal

Para seu desenvolvimento necessitamos de um sistema próprio de meios e métodos, que surge a partir da definição do conceito de velocidade em diferentes parâmetros do movimento desportivo.
Visão geral da definição de velocidade

- Capacidade de realizar um movimento ou sucessão de movimentos num curto espaço de tempo.

- Velocidade de coordenação de diferentes ações articulares.

- Capacidade de reagir, rapidamente, a um estímulo no mais breve tempo possível.

Podemos observar a velocidade em movimento cíclicos (repetição sucessiva do mesmo movimento ) ou movimentos acíclicos (repetição sucessiva de diferentes movimentos).

Ao analisar as várias modalidades desportivas, no âmbito da locomoção, podemos ver a velocidade de movimentos como o fator dominante. Outros fatores, como a técnica, a tática, a capacidade psíquica, a força e a resistência são também importantes, mas não traduzem o aperfeiçoamento quantitativo e qualitativo de treino. O desenvolvimento desses fatores consiste em proporcionar a execução do exercício competitivo com o máximo de rapidez possível. Atletas que aumentam sua força e resistência sem dar atenção a velocidade podem diminuir seu rendimento quando houver a necessidade de realizar gestos mais explosivos, com maior velocidade do que normalmente estão acostumados.

A velocidade não é uma ação motora exclusiva das corridas de atletismo. Ela expressa-se numa grande quantidade de gestos desportivos. Podemos citar alguns exemplos nos quais a velocidade é determinante :

- A velocidade de execução das técnicas dos esportes de luta possibilita ao atleta ser mais eficaz, antecipando-se as ações ofensivas e defensivas do adversário.

- A velocidade com que o remo se desloca na água, impulsionados pela velocidade imposta pelo remador, determina a velocidade de deslocamento do barco.

- A velocidade com que o nadador efetua a sucessão dos ciclos de braçada determina a velocidade de deslocamento na água.

A velocidade se manifesta de diferentes formas nas modalidades desportivas

1 – Velocidade de Reação

É a capacidade do sistema neuromuscular de reagir a um estímulo no menor tempo possível. A reação ao estímulo pode ser simples e complexa :

- Reação simples : é a resposta a um sinal já conhecido antecipadamente, no momento em que vai ocorrer e qual o tipo de resposta a ser elaborada.

- Reação complexa : é a resposta a um sinal que não se conhece com precisão o momento do seu aparecimento e nem a melhor resposta a ser dada. É uma reação por escolha, por seleção entre as várias soluções possíveis, sendo características dos desportos coletivos e de combate.

A precisão da reação complexa depende dos seguintes fatores:

- A observação depende da precisão da percepção e do reconhecimento rápido das situações modificadas.

- O sentido de equilíbrio e da adaptação motora leva a uma melhora da orientação, adequada aos estímulos não esperados durante a ação desportiva

- Conhecimento e experiência da modalidade aumentam a capacidade de antecipação e da escolha da resposta mais correta.

- Velocidade de movimento como elemento condicionante ao aspecto físico-técnico-tático dos esportes em geral.

2 – Velocidade de execução

É a capacidade do sistema neuromuscular de executar um gesto desportivo, com a velocidade máxima de contração de um músculo ou grupamento muscular. É característica dos movimentos desportivos acíclicos e esta intimamente ligada a outra capacidade física, que é a força explosiva. A velocidade de execução depende do nível de força muscular aplicada e a resistência a ser vencida, que será tanto maior quanto menor for a resistência a ser superada.

3 – Fatores de que depende a velocidade

- Velocidade de propagação dos impulsos nervosos

- Elevada quantidade de fibras de contração rápida

- Capacidade de recrutamento do elevado número de fibras musculares

- Capacidade de alternar a contração e descontração da musculatura

- Eficiência dos mecanismos bioquímicos

- Nível de mobilidade articular

- Qualidade técnica

- Mobilização da vontade própria

4 – Velocidade resistente

É a capacidade de resistir a instalação da fadiga durante a aplicação de cargas máximas e submáxima. A velocidade resistente é a combinação das capacidades físicas , resistência e velocidade, que depende dos seguintes fatores :

- Nível das reservas de energia no músculo ( fosfocreatina e ATP )

- Capacidade de mobilização dessas energias, na façta de oxigênio

- Tolerância aos maiores teores de ácido lático

- Capacidade dos músculos se contraírem poderosamente, mesmo na presença da forte concentração de lactato

- Mobilização da vontade do atleta

ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS

1. Deve-se respeitar as características mecânicas da modalidade de luta, na escolha dos exercícios a serem selecionados e executados.

2. O treino de velocidade dos exercícios acíclicos deve ser feito antes dos exercícios cíclicos de velocidade.

3. A motivação do praticante é fundamental para alcançar resultados perspectivos.

4. O treino de velocidade implica a utilização de intensidades submáximas, máximas e supermáximas.

5. A duração dos exercícios não deve ultrapassar o tempo de 8 a 10 segundos

6. O treino de velocidade deve ser colocado no inicio da sessão de treino, logo após o aquecimento ( que não deve ser longo nem puxado demais )

7. Deve haver uma ligação entre o treino de velocidade com o processo de aperfeiçoamento técnico.

8. Os exercícios devem ser bem executados tecnicamente, já que sendo a velocidade uma qualidade física dependente dos sistema neuromuscular, os exercícios podem ser automatizados ( corretos e incorretos ). A intensidade deve ser média e progressivamente atingir a intensidade máxima com boa execução motora.

9. Primeiro se corrige a técnica e a ação motora para depois aumentar a intensidade, até ser máxima.

10. O volume da carga de velocidade deve ser tal que não permita o aparecimento da fadiga. A intensidade elevada é fundamental no treino de velocidade.

11. O treino de velocidade poderá continuar desde que não haja uma diminuição da intensidade do movimento selecionado. Se ocorrer esta diminuição o objetivo poderá não ser alcançado, mas sim passar a ser um treino de velocidade resistente.

12. Os exercícios de velocidade devem ser precedidos de um aquecimento, para permitir a redução da viscosidade intramuscular, prevenir as lesões decorrentes de uma deficiente coordenação entre os músculos agonistas e antagonistas.


 

Publicidade

Banner
Banner
Banner

O Wazari no Twitter

Usuários on-line

Nós temos 6 visitantes online